domingo, 10 de julho de 2016

Somos todos UM


Precisamos ter mais amor e respeito por toda forma de Vida e pela Natureza. 

Cada um pode fazer a sua parte nesse processo, no despertar consciencial que estamos todos envolvidos, lembrando que somos responsáveis pela mudança que desejamos no Mundo, e para que ela aconteça, precisamos ter mais informações sobre o que ocorre e de que forma escolhemos viver aqui.

Sem conhecimento não temos liberdade de discernir melhor sobre nossos caminhos e escolhas e somente depois de conhecer, poderemos ser livres. Então comece despertando a sua sensibilidade, sua razão e inteligência e perceba o que Somos todos UM, somos parte integrante de tudo que existe no Universo e co-responsáveis pela manutenção e preservação da vida. 

Se você ainda não consegue sentir compaixão pelos animais, pelo menos busque informações sobre como estamos compartilhando esse mundo com eles, e o quanto isso está interferindo em nossa saúde, e na vida em todo o Planeta. 

Quem sabe buscando conhecer melhor o mundo que te cerca, saberá como viver melhor nesse Mundo. 

Se não mudar por AMOR, pode mudar pelo AUTO AMOR, ou seja, pela sua saúde. Assista o vídeo, um minuto para sua reflexão.






sexta-feira, 3 de junho de 2016

O Gorila de Cincinnati, a reação mundial e o colapso da Civilização.




Existem cineastas que conseguem prever acontecimentos, falando sobre o futuro em suas obras de ficção ou sobre fatos da vida real. O homem vem sendo alertado através de filmes e documentários, sobre os riscos de um colapso da atual civilização no Planeta. Os diretores Yann Arthus- Bertrand e Michael Pitiot, no documentário "Terra", produzido pela GoodPlanet e Omega, examinam a relação humana com outras espécies do Planeta e o resultado da nossa interferência no Habitat natural.


Recentemente uma criança,por descuido dos pais, caiu no recinto onde "vivia" o Gorila Harambe, num jardim zoológico em Cincinnati. Os funcionários do zoo viram-se obrigados a matar o animal para salvar a criança. Em nenhum momento, o gorila demonstrou que iria atacar o menino, mesmo assim, decidiram pelo fim da vida animal, ao invés de utilizarem tranquilizantes.

As pessoas estão sensibilizadas pelo animal, mas não conseguem modificar um hábito sequer, e preservar com consciência, a vida selvagem e a vida animal.Parece que a Humanidade tomou conta do Planeta e agora está destruindo aos poucos, tudo o que existia antes da sua chegada.


Gorila Harambe

Lembramos que "selvagem" é todo aquele que vive na floresta.
Nós "Humanos", somos os seres inteligentes e "civilizados", mas estamos vivendo de forma selvagem ( no sentido da selvageria). Assistir ao documentário, é uma oportunidade para construir um novo olhar sobre o Planeta TERRA . Precisamos refletir sobre a forma que estamos vivendo nesse momento, e o que poderemos fazer para colaborar com a mudança climática, ambiental, no reino vegetal, animal e na Sociedade em seu amplo aspecto biopsicosocialespiritual.

É tempo de modificar velhos hábitos.

Assistam como "observador atento e sensível" para captar a beleza das imagens, a construção da narrativa e do enredo atualíssimo e de extrema sensibilidade.
Convide sua família e amigos,para assistirem juntos, e encontrar novos caminhos para a mudança.Elas começam dentro de nós e em nossa casa, para só depois, modificar o Mundo.

Disponível no canal  Netflix . 



Trailler Trailler do documentário Terra

sábado, 28 de maio de 2016

É o fim da sociedade permissiva? Precisamos educar os sentimentos.


Quais os motivos que fizeram adoecer a nossa sociedade? Vivemos um momento crucial e precisamos nos posicionar perante os fatos apresentados na mídia sobre o estupro coletivo de uma jovem de 16 anos que sofreu violência extrema, divulgada como uma conquista pessoal, e publicado no perfil de um grupo de "machões" nas redes sociais. Durante muito tempo, uma grande parcela foi omissa e de certa forma, corresponsável pelo agravamento das situações que nos agridem agora.
Cansei de ver a mídia (principalmente a globo) apresentando programas e séries com ótima qualidade, mas que em nome da arte, acabam colocando fortes imagens com o estupro e a violência contra a mulher .Grandes campanhas publicitárias famosas, comerciais machistas e o cinema promovendo esse tipo de ação. Justificam que denunciam a realidade, ou que nada faz parte dela, mas acabam alimentando o inconsciente coletivo.
Cansei de ver programas de rádio e televisão, incentivarem "cantores" de músicas que rebaixam a mulher nas piores condições, como objeto de prazer, e divulgam como  "cultura da comunidade", faturando rios de dinheiro em shows. Essas músicas acabam em bailes fechados, onde rola de tudo . Acabam colaborando na construção de uma juventude alienada , que são estimulados pela letra das músicas e pelas batidas, provocando uma espécie de êxtase e transe coletivo, segundo alguns pesquisadores.
Cansei de ver programas de TV que expõe a mulher como figura depreciativa (para aumentar audiência) dos homens ávidos de prazer e sexo. Recentemente o polêmico Big Brother ( que nunca assisti) teve um estupro ao vivo e continua no ar, com o mesmo formato. Estimulam as festas com bebidas, para depois retirar o participante do programa, com aquele ar de inocentes.
Essa definição de audiência x público é sempre justificada por eles, mas se a programação fosse alterada, será que as pessoas também não modificariam seus conceitos em contato com a cultura?  É preciso repensar tudo e oferecer às pessoas uma programação de qualidade, com conteúdo e valores humanos. As pessoas estão sedentas de outras siglas BBB, precisam entrar em contato com o BOM, o BELO e o BEM!
Cansei de ver notícias de médicos e profissionais de saúde estuprarem mulheres dopadas e devem ter muitos casos encobertos, mas quando revelados,  com a ajuda de muito dinheiro e um bom advogado,  conseguem o "habeas corpus" de alguns juízes.
Cansei de ouvir sobre o uso frequente de entorpecentes na alta sociedade, nos salões e festas de luxo e baladas  com o "boa noite Cinderela" (nunca boa noite Príncipe) , com suas orgias , mulheres abusadas e até estupradas em grupos e que nunca foi filmado  e publicado, e isso inclui festas de  famosos e políticos.
Cansei de ver , o apelo da internet em sites de venda de sexo , prostituição e drogas, onde há todo tipo de relação , incentivando o sexo grupal ,com uma dose alta de bebidas e alucinógenos e isso acontece em toda parte do mundo. E os jornais do exterior nesse momento "repudiam" esse ato, difamando mais ainda a cidade do Rio , acho louvável e importante esse apoio da mídia internacional, mas será que estão mesmo preocupados com o que acontece debaixo dos seus lençóis? 
Cansei de ver o apoio da mídia e prefeituras em eventos como o Carnaval, distribuindo camisinhas masculinas para que os homens aproveitem bastante a farra de tantos dias de orgia coletiva nos bailes, vielas, ruas e nas casas, pois a programação em sua maior parte se compromete em mostrar corpos expostos das mulheres, seduzindo a imaginação e a libido, e quantos estupros e casos e violência ocorrem nesse período? 
Cansei de ver estupradores sendo tratados como doentes psiquiátricos, com bons advogados, em uma sociedade que protege o criminoso dando abrigo e abertura nas leis que não modificam, mas quando a mulher acaba cometendo um crime para se defender, apodrece na cadeia.
Cansei de ver notícias de violência contra mulher, com o velho discurso de que é a causadora e não vítima, que não devia andar na rua à noite, usar roupas curtas, decote, roupa justa , etc ( essa cultura está arraigada na família tirando a liberdade da mulher de ser gente e decidir o que vestir e como viver para agradar a sociedade machista ) .
Cansei de ver famílias que vivem esse pesadelo dentro de casa, com aqueles que mais confiam. Sofrem violência física, emocional, afetiva, por dependência financeira e de sobrevivência, por fragilidade e na maioria das vezes por medo, devido a impunidade, causando traumas para o resto da vida.
E o que dizer do nosso Governo, que nesses últimos 13 anos estimulou através do Ministério da Educação, a divulgação de práticas sexuais em cartilhas para crianças, com a erotização de jovens e a vacinação para combater doenças sexuais transmissíveis como HPV em meninas de 9 anos? Apoiando a liberdade com o próprio corpo, estimulando a prática do aborto, que levam muitas vezes ao suicídio, sem nenhum apoio das Instituições, e antes mesmo do desenvolvimento físico e emocional.
Momento difícil de uma sociedade que precisa evoluir, descobrir o que são valores como ética, direitos humanos, educação, justiça, igualdade,fraternidade, respeito e Amor. Sim estamos todos precisando de muito Amor e novas leis necessárias para educar os sentimentos e humanizar as relações.
Inclusive dos ignorantes, dos perversos, dos que chocam, que agridem e que são diariamente construídos por essa sociedade doente , que desde Platão busca o conceito do Ideal, totalmente priorizado nessa sociedade que tem o domínio do forte sobre o fraco, do rico sobre o pobre, que massacra e afasta o homem da sua essência, daquilo que ele É, do seu EU verdadeiro, estamos todos presos na Caverna ( para aqueles que não conhecem, falo do Mito da Caverna de Platão).  
Não somos só corpos, somos espíritos.Não deveríamos valorizar o TER mas construir um novo  SER.
Tudo aqui é passageiro, nada é  nosso de verdade, basta ir à um enterro pra ver que no tumulo só cabe um corpo inerte. Levamos a nossa consciência desperta ou adormecida e muitos estão vivos, mas no sono profundo da ignorância, que a sociedade materialista faz questão de manter adormecidos no dia a dia .
É preciso despertar a consciência e o sentimento de uns para com os outros.Somos todos irmãos, independente de cor, raça, religião, condição social e gênero. Precisamos nos equilibrar, respeitar uns aos outros, a natureza e o meio ambiente, se não em breve, não haverá mais vida e nenhum lugar para morar.
Segue um vídeo que nos faz refletir sobre o tema " Violência contra a mulher",  direcionado aos Pais de meninos e meninas, falando aquilo que eles precisam saber antes que eles venham ao mundo!
Assista aqui  https://www.youtube.com/watch?v=Y9WPEZYhEuo
" Que nascer mulher, nessa sociedade, não seja o maior perigo de todos."

sexta-feira, 20 de março de 2015

EcoFalante - Mostra de Cinema Ambiental





A sétima arte tem abordado temas relacionados aos cuidados com o meio ambiente de forma criativa, despertando consciências, e chamando atenção para o debate de assuntos relacionados, mas também apresentando soluções para os diversos problemas sociais e ambientais.

Eu me lembro do sucesso do filme Avatar (2009) de James Cameron , que se utilizou dos recursos tecnológicos, para denunciar de forma bem direta, e muito criativa, até onde vai a capacidade do ser humano ser tão destrutivo em seu habitat natural e com seres viventes. Dotado de inteligência intelectual, mas muitas vezes, sem moralidade e ética, o Ser Humano é capaz de destruir sua raça, outras culturas e até outros planetas se tiver condições de aproveitar dos recursos naturais para suas ambições pessoais.

Essa semana, a cidade de São Paulo, recebe do dia 19 a 29 de março de 2015, a 4ª Mostra Ecofalante.  Serão exibidos longas, médias e curtas metragens,  focados na temática ambiental e grande parte deles, inéditos no Brasil. São 65 filmes, vindos de 23 países com direito à debates sobre meio ambiente, cidades, energia, recursos naturais, consumo, povos e lugares, o impacto de megaeventos esportivos, a matriz elétrica brasileira, biodiversidade, transgênicos, mudanças climáticas e neocolonialismo, temas de filmes que também contarão com debates durante o festival. 
Desde sua primeira edição, em 2012, a Mostra já atingiu 52 mil pessoas, exibindo 176 filmes em mais de 70 espaços em 17 cidades. Foram promovidos 70 debates. Além da Mostra principal, que acontece na capital paulista, uma versão pocket da programação itinerante por cidades do interior do estado de São Paulo no segundo semestre, levando a reflexão e o debate a vários espaços.

Um dos destaques a pré-estreia do documentário “O Sal da Terra”, de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado, sobre o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado. A produção foi indicada ao Oscar de melhor documentário.

No sábado, dia 21 de março, na Cinemateca Brasileira, a partir das 20h30, o filme “Um Dia, o Nilo”, sobre a construção da represa de Assuan, que mudou o curso do Rio Nilo.  O filme do cineasta Youssef Chahine, é uma produção Egito/Rússia de 1968, nunca foi lançado em DVD, não possui cópia digital e a única em película existente fica na Cinemateca Francesa, onde foi restaurado. Chahine (1926 – 2008) é dos maiores cineastas da história do cinema egípcio, e um dos poucos que conseguiu ser premiado nos três maiores festivais de cinema do mundo: Cannes, Berlim e Veneza.

No domingo, 22 de março, dia mundial da água, a 4ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental exibe, em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo, o filme “A Crise Global da Água”. A sessão acontece às 14h15 na Tenda de Filmes do Parque Villa-Lobos.
Produção americana de 2011, o filme apresenta um argumento poderoso do porquê a crise mundial da água será a principal questão a ser enfrentada neste século, e será entrevistada a ativista Erin Brockovich e especialistas no tema.  



Efeito das  Barragens


Crise da água


Documentário Sal da terra 


4ª Mostra Ecofalante - matéria completa e lista de sessões e salas

Blog da Mostra



sexta-feira, 6 de março de 2015

Ideias Criativas para evitar a Dengue

Ideias Criativas em tempos de reciclagem


Vivemos novos tempos e um despertar coletivo em diversos setores, onde as pessoas estão buscando contribuir da melhor forma, para a conservação do nosso planeta . Muitos vem trabalhando para despertar a consciência ecológica, a importância da reciclagem com foco no meio ambiente, da valorização da água , da alimentação, resultando assim,  em melhor qualidade de vida das pessoas e na saúde pública. 

Gostaria de deixar minha contribuição, para evitarmos o crescimento alarmante da proliferação do mosquito transmissor da dengue nesse verão, e ter o cuidado de não deixar exposto em locais públicos e em nossas casas, recipientes e vasos com água parada sem a tampa.  

A dica é reaproveitar e dar uma "nova cara" aos objetos que normalmente descartamos na natureza.

Segue algumas dicas interessantes para a reutilização de maneira prática e  inteligente , valorizando a estética e a beleza dos ambientes:

1- Escada de pneus enviada pela minha amiga do facebook Adriana Marczuk


2- Galão com tampa na saída da calha com mangueira 


3- Galão com Horta 




4- Horta de garrafas Pets Reciclando ideias


5- Aproveitamento de pneus para decoração 








Olhe bem em sua casa, se os pratinhos dos vasos estão com areia , se os potes estão com tampas e reservatórios de água bem cobertos com pano ou plásticos. Vamos combater a transmissão do mosquito da dengue que adora água parada e  limpa. 

O convite é cuidar do nosso Planeta, da nossa casa, e deixar cada vez mais florido e mais bonito. Se você tiver uma dica, envie sua foto no meu e-mail magalibischoff@gmail.com.br autorizando a postagem ou deixe seu comentário !

Faça a sua parte!

Muita paz.




quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

O ano só começa agora?

Dizem que no Brasil, o ano só começa após o Carnaval. 


Não sou muito fã dessa época, e fico feliz quando ela se acaba. No geral, os assuntos não são levados a sério no País, e nada acontece antes dessa data. Acostumamos a ouvir: "- Só depois do Carnaval", as aulas não iniciam, os políticos não trabalham, os negócios caminham lentamente e o povo está em ritmo de dança.

É uma sociedade alimentada por momentos de alegria, para compensar um ano de dificuldades. Basta assistir diariamente as denúncias de Corrupção que caminham a passos lentos, a má administração pública, a educação e saúde precárias, o transporte público de péssima qualidade e a violência que só cresce em um Governo corrupto e indiferente, sem contar o péssimo gerenciamento dos recursos e a falta de água.

Isso é tão arraigado no Brasil, que anunciaram manifestações públicas para combater a Corrupção e buscar nossos direitos, saindo às ruas, somente no dia 15/03. Ou seja, após o Carnaval. 

Precisamos refazer a nossa lista de prioridades, acreditar em nossos sonhos, buscar novos projetos e construir uma nova sociedade, baseada no Amor, na Igualdade e na Justiça Social. Algumas pessoas dizem que as perspectivas para esse ano não são muito positivas, mas cada um pode contribuir com o seu melhor e fazer a sua parte, no próprio ambiente, mudando o paradigma que aí está.

Vamos buscar a honestidade nos menores atos, dominando as pequenas corrupções do dia a dia. Vamos buscar a igualdade, distribuindo os recursos que temos com o nosso próximo e nos tratando como iguais. Vamos ser fraternos auxiliando as necessidades materiais ou emocionais, aprendendo a estender as mãos para quem precisa. Vamos nos tornar melhores profissionais, médicos, professores, policiais, advogados, fazendo uma corrente do Bem e de mudanças onde estivermos.

Aos poucos, o Bem se torna maioria, e com eles vem o poder da transformação através de uma nova consciência de um Mundo Melhor. Ela começa em cada um de nós, em seu lar, no ambiente de trabalho, nos negócios, na política, e ao longo do tempo refletirá em toda a Sociedade.

Mãos à obra, o ano já começou faz tempo faça a sua parte e renove tudo à sua volta!

Abraços


Magali

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Amazônia - De pulmão à torneira


Fazendo uma pesquisa na Internet sobre a relação da seca no Sudeste e o desmatamento da Amazônia, encontrei um texto interessante no site da Uol, do colunista Jean Remy Davée Guimarães, e que achei muito interessante.

Ele diz que a Amazônia está mais para torneira do que pulmão, como antes acreditávamos. Significa que a umidade natural da terra da garoa e de outras regiões do País, dependem das árvores Amazônicas. 

Então eu me pergunto: E as nossas árvores? E o nosso desmatamento? E a quantidade de cimento e pedras e o mal planejamento das cidades, está tudo desordenado, fora de controle? Hoje na cidade de São Paulo, restam apenas 488 km2 (21,5%) de vegetação nativa na bacia hidrográfica e nos 2.270 km2 do conjunto de seis represas que formam o Sistema Cantareira.


Precisamos que aconteça o pior para que algo possa ser feito pelos líderes desse Pais que tem o poder e os recursos para investir na mudança desse cenário?

Onde estão os estudiosos, os cientistas, os pesquisadores que tem informações suficientes para evitar esse tipo de catástrofe ambiental ? 

O que nos resta é  pagar alto essa conta, conviver com o vilão do racionamento e desenvolver a consciência desse bem precioso que é a água. Vamos fazer nossa parte, economizar e cobrar das autoridades que estão no poder uma atitude urgente!



 Segue parte do texto publicado no site: UOL- texto na íntegra
Amazônia: de pulmão a torneira
Creio que, para o leitor regular desta coluna ou do noticiário no front ambiental, as informações sobre novos recordes de calor, chuva e seca no país não são grande novidade, nem a relação desses recordes com o aquecimento global – e seus muitos desdobramentos – e com as mudanças no uso do solo, no país e alhures. “Mudanças no uso do solo”: esse frio eufemismo contemporâneo politicamente correto deve ser traduzido como “detonar geral”, ok?
Todo o território brasileiro depende da chuva que a Amazônia gera eque está minguando devido ao desmatamento
Os chatos do IPCC já cansaram de explicar que há um ‘rio’ de umidade da Amazônia para o Sudeste do Brasil, que alimenta as chuvas nesta região e é alimentado pela evapotranspiração da mata. Na verdade, jornalistas e divulgadores de ciência dos anos 1960-1970 estavam errados quando atribuíam a esse bioma a função de pulmão do mundo. Está mais para torneira que pulmão. É verdade que boa parte do Brasil anda mesmo de respiração curta, mas por ansiedade, devido à falta d’água.
Se houvesse alguma tênue conexão entre conhecimento e tomada de decisão, há tempos a população do Sudeste brasileiro já deveria ter metido o bedelho no uso do solo no Norte do país, movida como sempre por instinto de sobrevivência, mas obrando nesse caso hipotético para o bem de todos, embora sem querer.
Afinal, todo o território brasileiro depende da chuva que a Amazônia gera e que está minguando devido ao desmatamento. Sabemos que desmatamentos secam mananciais. Nos tempos do Brasil Imperial, plantou-se tanto café nas encostas do maciço da Tijuca que as fontes que abasteciam a capital escassearam, a floresta da Tijuca teve de ser replantada, e o café foi provocar seca em outras freguesias.

Falta nos convencermos de que o que observamos localmente ocorre também regional, nacional e globalmente. A consequência lógica é que seguir desmatando é uma atitude suicida. Sem água, não há energia nem comida. Sem esse trio, lá se vai a segurança. Chegando a esse ponto, já perdemos a educação. E quanto à saúde e ao transporte? Cada um por si.
Parece que só vamos entender os tais ‘serviços ambientais’ quando os perdermos. A atual crise hídrica é apresentada como anomalia ou fatalidade. Ninguém ousa apontar as conexões entre seca e atividade humana. Será por medo de irritar o agronegócio? Para piorar, estou convicto de que boa parte da população – inclusive tomadores de decisão – acha que os tais serviços ambientais incluem as atividades de guarda-parques, engenheiros florestais e paisagistas.
A atual crise hídrica é apresentada como anomalia ou fatalidade. Ninguém ousa apontar as conexões entre seca e atividade humana
Seja como for, diante da escassez de água na torneira, as notícias catastróficas sobre a quebra de produção hidrelétrica perderam destaque. Podemos aguentar muito mais tempo sem luz e energia do que sem água, certo? Mas quanto tempo? Alguns afirmam que, se não chover pra valer nas próximas semanas nas áreas de captação de água de São Paulo, é catástrofe certa.
Em outros pontos do país, os eventos climáticos vão confirmando dolorosamente as previsões do IPCC para essa região do planeta. Alternância de grandes secas e cheias na Amazônia com tendência para períodos de seca mais longos, mais secas no Sudeste e mais temporais e enchentes no Sul.

Ainda bem que tanta divulgação dos problemas de abastecimento de água e hidreletricidade motiva os consumidores residenciais, industriais e rurais a usar esses preciosos recursos com mais parcimônia, não é? Que bom, porque, se dependêssemos de campanhas agressivas de racionamento por parte de empresas, do poder público e de agências reguladoras, estaríamos calados, como sempre, mas dessa vez devido à secura na garganta.  
Área desmatada
Área desmatada para criação de gado na Amazônia brasileira. A pecuária é um deprincipais motores do desmatamento, que tem destruído a região no sentido norte enoroestee é um dos agentes da seca no Sudeste do país. (foto: Leonardo F. Freitas/ Flickr – CC BY-NC-SA 2.0)